Escala: estrutura, modo, aplicações e exemplos auditivos

As escalas pertencem aos fundamentos da teoria musical, permitem-nos interpretar corretamente as peças musicais e abrem muitas possibilidades na composição. Se conhecer as escalas, nunca ficará sem ideias musicais. Continue a ler e saiba tudo sobre as escalas mais importantes.
Índice

O que é uma balança?

Na teoria musical, uma escala é uma sequência de notas dentro de uma oitava em que a última nota é uma repetição da primeira nota exatamente uma oitava acima. As escalas podem ser ascendentes (as notas vão de baixo para cima) ou descendentes (as notas vão de cima para baixo).

Existem diferentes escalas que se caracterizam por determinados intervalos entre as notas individuais. Na música ocidental moderna, as escalas têm sempre intervalos de tom inteiro e meio tom como passos dentro da escala. Dependendo do passo em que se encontram os intervalos de semitom, a escala assume um carácter e um nome diferentes. As escalas mais utilizadas na música ocidental são a escala maior e a escala menor.

Todas as escalas têm uma fundamental (também chamada tónica). Esta dá o nome à escala e é a primeira nota. Assim, se tocarmos uma escala de Lá menor, a primeira nota é sempre um Lá.

Como exemplo, considere as duas escalas mais comuns na música ocidental, Dó maior e Lá menor. Elas são tão populares porque são as mais fáceis de tocar, uma vez que não têm assinatura de tecla.

As notas da escala de Dó maior

A escala de Dó maior é constituída pelas notas Dó, Ré, Mi, Fá, Sol, Lá e Si. Assim, os intervalos dentro da escala são os seguintes: tom - tom - semitom - tom - tom - tom - semitom.

A escala de Lá menor

A escala menor consiste nas mesmas notas mas numa ordem diferente: A, B, C, D, E, F, G. Os intervalos são os seguintes: tom - semitom - tom - tom - semitom - tom - tom.

História das balanças

A história das escalas na música remonta à antiguidade e evoluiu ao longo de milénios em muitas culturas em todo o mundo. A Grécia antiga é frequentemente a nossa primeira paragem quando pensamos nos primórdios da teoria musical. Aqui, filósofos como Pitágoras fizeram experiências com relações matemáticas entre tons.

Falavam de "tetracordes", acordes de quatro notas que constituíam a base das suas teorias musicais. Estes tetracordes serviram como blocos de construção para sistemas musicais maiores e lançaram as bases para desenvolvimentos musicais posteriores.

Na Idade Média, época da difusão do cristianismo e do aparecimento do canto gregoriano, a igreja começou a desenvolver os seus próprios modos musicais. Estes modos clericais foram os precursores das nossas escalas modernas, que foram posteriormente estandardizadas durante os períodos renascentista e barroco. Nessa altura, chamavam-se escalas jónicas e eólias, mas eram idênticas às escalas maiores e menores actuais.

Estas eras também assistiram à introdução do temperamento igual, uma inovação que facilitou o aparecimento do piano moderno e tornou mais fácil tocar em diferentes teclas.

Mas a tradição ocidental é apenas uma parte da história das escalas. As culturas de todo o mundo desenvolveram os seus próprios sistemas musicais, desde as ragas na música indiana até à pentatónica na tradição chinesa e aos maqams no mundo árabe.

Na era moderna, em particular no século XX, o aparecimento de géneros como o jazz e a música eletrónica assistiu a uma reavaliação e utilização inovadora das escalas. Embora seja difícil identificar a origem exacta das escalas, a sua história profundamente enraizada na cultura humana é inegável.

Estrutura de uma escala heptatónica

Na música ocidental, as escalas heptatónicas têm o maior significado. São compostas por 7 tons, daí o seu nome ("hepta" é grego e significa sete). No entanto, regra geral, tocam-se oito tons, sendo o oitavo tom igual ao primeiro, mas uma oitava acima.

No total, uma escala heptatónica tem 5 passos de tons inteiros e 2 passos de meios tons. Dependendo da localização dos intervalos individuais, a escala tem um modo diferente. Por exemplo, a escala menor tem os meios passos entre o segundo e o terceiro grau e entre o quinto e o sexto grau, enquanto a escala maior tem os meios passos entre o terceiro e o quarto grau e entre o sétimo e o oitavo grau.

Os diferentes passos e intervalos em Dó maior e Lá menor
Os diferentes passos e intervalos em Dó maior e Lá menor

Aqui estão as 7 escalas heptatónicas comuns (também conhecidas como escalas de igreja):

  1. Iónico (Natural Maior): Esta é a escala maior comum. Por exemplo: C-D-E-F-G-A-B-C
  2. Dórico: Uma escala menor com uma sexta nota aumentada. Por exemplo: D-E-F-G-A-B-C-D
  3. Frígio: Uma escala menor com uma 2ª nota diminuída. Por exemplo: E-F-G-A-B-C-D-E
  4. Lídio: Uma escala maior com uma 4ª nota aumentada. Por exemplo: F-G-A-B-C-D-E-F
  5. Mixolídio: Uma escala maior com uma sétima nota diminuída. Por exemplo: G-A-H-C-D-E-F-G
  6. Eólio (menor natural): Esta é a escala menor ordinária. Por exemplo: A-B-C-D-E-F-G-A
  7. Local: Uma escala menor com uma 2ª e uma 5ª notas diminuídas. Por exemplo: B-C-D-E-F-G-A-B

Estas sete escalas são modos da diatónica e são frequentemente utilizadas na música ocidental. No entanto, existem muitas outras escalas heptatónicas em diferentes culturas e tradições musicais em todo o mundo. Em alguns sistemas musicais, podem ser utilizadas microtonalidades ou estruturas intervalares mais complexas (segundos aumentados) para criar padrões heptatónicos únicos.

Escala maior natural

Clique aqui para ver o artigo detalhado sobre as escalas maiores

A escala de Dó maior
A escala de Dó maior

As escalas maiores são as escalas mais importantes de todas. São sempre aprendidas em primeiro lugar nas aulas de música e de instrumento, uma vez que constituem a base de muitas estruturas harmónicas. A estrutura intervalar de uma escala maior é: tom inteiro - tom inteiro - semitom - tom inteiro - tom inteiro - tom inteiro - semitom.

A escala maior pode ser formada a partir da nota Dó, tocando todas as notas de raiz (teclas brancas no piano). Ou seja, partindo da nota Dó, a sequência de notas C-D-E-F-G-A-B-C resulta na escala de Dó maior.

Na teoria musical, as escalas maiores são conhecidas pelas suas qualidades sonoras "alegres" ou "positivas" e são, por isso, muito adequadas para canções alegres.

Escala menor natural

A escala de Lá menor
A escala de Lá menor

As escalas menores são o segundo tipo de escala mais importante na teoria musical ocidental, a seguir às escalas maiores. Têm uma estrutura intervalar caraterística que lhes confere um som "mais triste" ou "mais escuro" do que o som "mais claro" ou "mais alegre" das escalas maiores.

Existem vários tipos de escalas menores, mas a mais comum e conhecida é a escala menor natural. A estrutura intervalar da escala menor natural é: Tom inteiro - semitom - tom inteiro - tom inteiro - semitom - tom inteiro - tom inteiro

Se tocarmos todas as notas da raiz de Lá, obtemos a escala de Lá menor natural, que não contém b's nem cruzes: A-B-C-D-E-F-G-A

Escala dórica

D-Dorian
D-dórico

A escala dórica é uma das sete tonalidades (ou modos) da escala diatónica, não tão utilizada como as escalas maior e menor, mas com um carácter único. A escala dórica tem a seguinte estrutura intervalar:

Tom inteiro - semitom - tom inteiro - tom inteiro - tom inteiro - semitom - tom inteiro

Na música moderna, a escala dórica é muitas vezes referida como uma escala menor com uma sexta maior. Se olharmos para a escala dórica a partir de Ré (uma vez que não contém sustenidos ou bemóis nesta tonalidade), tem o seguinte aspeto D - E - F - G - A - B - C - D.

Uma caraterística essencial da escala dórica em comparação com a escala menor natural é a presença do sexto grau aumentado. Isto dá-lhe um timbre um pouco menos "triste" do que a escala menor natural.

A escala dórica é muitas vezes vista como um pouco mais "jazzística" ou mais "fixe" do que a escala menor natural. É utilizada em muitos estilos de música, especialmente no jazz, fusão e rock, e pode ser uma alternativa interessante à escala menor tradicional.

Escala frígia

E-phrygian
E-phrygian

A escala frígia é também um dos sete modos da escala diatónica na teoria musical ocidental. Este modo é especialmente conhecido pela sua caraterística segunda nota diminuta, que lhe confere um som exótico ou "oriental".

A estrutura intervalar da escala frígio é: Semitom - Tom inteiro - Tom inteiro - Semitom - Tom inteiro - Tom inteiro

Se começarmos em Mi e usarmos apenas as teclas brancas de um piano, a sequência de notas E-F-G-A-H-C-D-E dá a escala frígia de Mi.

A escala frígia é frequentemente utilizada em vários estilos de música, especialmente no flamenco e na música oriental, para criar um som sombrio, misterioso ou exótico. O segundo grau diminuído dá à escala frígia uma tensão e drama que a distingue de outros modos.

Escala Lídio

F-lydiano
F-lydiano

Se começarmos em Fá e usarmos apenas as teclas brancas de um piano, a sequência de notas Fá-G-A-H-C-D-E-F resulta na escala de Fá-lírico. A sua caraterística é o excesso de quarto grau, que dá a esta escala um som "flutuante" ou "etéreo".

A estrutura intervalar da escala Lídio é: Todo o tom - Todo o tom - Todo o tom - Meio tom - Todo o tom - Meio tom

A escala Lídio é frequentemente utilizada para criar um som onírico, celestial ou místico na música. Isto deve-se principalmente à quarta nota excessiva, que quebra a estrutura típica da escala maior e cria um som inesperado e marcante. Em muitos contextos, especialmente na música para cinema e televisão, a escala Lídio pode ser usada para criar sensações de maravilha, encantamento ou sublimidade.

Escala mixolídiana

G-mixolídiano
G-mixolídiano

A escala mixolídiana é um tipo especial de escala maior com a particularidade do sétimo grau diminuído, que a distingue da escala maior convencional.

A estrutura intervalar da escala mixolídiana é: Todo o tom - Todo o tom - Meio tom - Todo o tom - Meio tom - Todo o tom

Se começarmos em G e usarmos apenas as teclas brancas de um piano, a sequência de notas G-A-H-C-D-E-F-G dá a escala de G-mixolídio.

A escala mixolídiana é frequentemente associada a um som "bluesy" porque a sétima diminuta dá ao som uma certa melancolia e "sujidade" que é diferente da escala maior pura. É por isso que esta escala é frequentemente usada em muitos solos de guitarra no blues, pois corresponde sempre exatamente às notas da dominante da tonalidade (daí o nome escala dominante).

Escala local

H-lokrisch
H-lokrisch

A escala Lócria, ou modo Lócrio, é o sétimo e último dos modos da escala diatónica na teoria musical ocidental. O modo Lócrio é particularmente notável porque é o único modo diatónico com uma quinta diminuta (Tritão). Esta tonalidade confere-lhe um som particularmente dissonante e incerto.

A estrutura intervalar da escala locriana é: Semitom - Tom inteiro - Tom inteiro - Semitom - Tom inteiro - Tom inteiro

Se começarmos na nota B e usarmos apenas as teclas brancas de um piano, a sequência de notas H-C-D-E-F-G-A-H resulta na escala locriana de B.

Devido ao seu som instável, a escala Locriana raramente é usada como base para peças musicais inteiras. No entanto, é usada em certos contextos jazzísticos ou experimentais, especialmente quando se pretende um som particularmente tenso ou "escuro". A quinta diminuta (trítono) é um dos intervalos mais dissonantes da música, o que dá ao modo lócrio o seu carácter único e sombrio.


Aqui todas as escalas da igreja são sobrepostas para dar uma visão geral dos semitons das escalas individuais:

Todas as escalas da igreja entre si
Todas as escalas da igreja entre si

Escala pentatónica

Clique aqui para ver o artigo detalhado sobre as escalas pentatónicas

As escalas pentatónicas são escalas de cinco notas utilizadas em muitas culturas musicais em todo o mundo. Têm frequentemente uma qualidade sonora mais simples e aberta e, por conterem menos notas, evitam muitas das complexidades harmónicas e melódicas das escalas heptatónicas. Por conseguinte, não criam tensão e, consequentemente, não necessitam de resolução.

Na música ocidental, estão particularmente difundidos dois tipos de escalas pentatónicas: a pentatónica maior e a pentatónica menor.

A Pentatónica de Dó Maior
A Pentatónica de Dó Maior

Escala pentatónica maior: Esta escala é formada a partir das notas 1, 2, 3, 5 e 6 da escala diatónica maior. Exemplo em Dó maior: Dó Ré Mi Mi Sol Lá.

É frequentemente utilizada na música folk, na música country e noutros géneros que preferem uma abordagem mais simples e melódica.

A Pentatónica de Lá menor
Uma pentatónica menor

Escala menor pentatónica: Esta escala é formada a partir das notas 1, 3, 4, 5 e 7 da escala menor diatónica. Exemplo em Lá menor: A-C-D-E-G

A escala pentatónica menor, muitas vezes com uma "nota de blues" adicional (o semitom entre o 4º e o 5º graus), é especialmente comum no blues e no rock e constitui a base de muitos solos de guitarra nestes géneros.

Balança cigana

O termo "escala cigana" é frequentemente utilizado para descrever um grupo de escalas que produzem sons característicos associados à música cigana. Caracterizam-se sobretudo pelo excesso de segundos passos, que lhes conferem um carácter único. São principalmente utilizadas no flamenco espanhol e na música árabe.

Existem várias escalas que se podem enquadrar no termo "escala cigana", mas duas das mais conhecidas são a escala cigana menor e a escala cigana maior.

Cigano menor

Escala menor cigana
Escala húngara de Lá

A escala menor cigana, também conhecida como escala húngara, consiste numa escala menor simples com quarto e sétimo graus elevados. Isto resulta nos seguintes intervalos: tom inteiro - semitom - 1½ tom - semitom - semitom - 1½ tom - semitom.

Em Lá, estas seriam as notas Lá - Si - Dó - Ré sustenido - Mi - Fá - Sol sustenido - Lá. Os dois segundos aumentados criam um carácter oriental especial.

Um bom exemplo da escala menor cigana é a peça "Musterion" de Joe Satriani, na qual a guitarra toca um solo sobre esta escala.

YouTube

Ao carregar o vídeo, o utilizador aceita a política de privacidade do YouTube.
Saiba mais

Carregar vídeo

A peça tem um toque oriental ou exótico criado por esta escala particular.

Cigano Maior

Escala árabe
Escala árabe a partir de Dó

A escala maior cigana é também chamada escala árabe porque se encontra principalmente na música árabe. Consiste numa escala maior simples com o segundo e sexto graus diminuídos. Isto cria grandes segundos entre o segundo e o terceiro graus e entre o sexto e o sétimo graus.

Os passos do intervalo são os seguintes: Semitom - 1½ nota - semitom - tom inteiro - semitom - 1½ nota - semitom. Em C, estas seriam as notas C - D bemol - E - F - G - A bemol - B - C.

Esta escala pode ser ouvida muito bem na canção "Gates of Babylon" dos Rainbow, que também lhe dá um toque muito exótico:

YouTube

Ao carregar o vídeo, o utilizador aceita a política de privacidade do YouTube.
Saiba mais

Carregar vídeo

Aprender escala

Aprender escalas é uma parte fundamental da educação musical e oferece muitos benefícios, independentemente do nível em que se encontra como músico. Ajudam-no a elevar as suas composições a um nível superior porque pode utilizar diferentes escalas nas suas progressões de acordes se souber onde e como.

Por que razão deve aprender escalas?

Especialmente quando se é principiante, muitas vezes não se percebe bem porque é que se deve aprender as diferentes escalas nas aulas de música. Mesmo que o benefício não seja imediatamente óbvio, um conhecimento básico das escalas traz enormes vantagens.

  1. Técnica e destreza: A prática regular de escalas melhora a destreza e a técnica no instrumento, seja ele de teclado, sopro ou corda.
  2. Compreender a teoria musical: As escalas formam a base para harmonias, estruturas de acordes e muitas melodias. Compreender as escalas ajuda-o a ver a música no seu contexto e, mais tarde, a aplicar este conhecimento às suas próprias composições.
  3. Intonação e treino auditivo: É importante que os cantores e instrumentistas atinjam as alturas corretamente. A prática de escalas promove a precisão da entoação.
  4. Improvisação: Compreender a estrutura das escalas facilita a improvisação de linhas melódicas e frases, especialmente em géneros como o jazz, o blues e o rock. Porque sabe quais as escalas que pode experimentar e quando, sem que as notas soem "erradas" ou "desafinadas".
  5. Versatilidade: Conhecer diferentes escalas, especialmente escalas exóticas, expande o seu vocabulário musical e permite-lhe tocar em diferentes estilos e géneros, mantendo-se criativo e imaginativo.

Qual é a melhor forma de praticar as escalas?

É necessária uma mistura de paciência, estratégia e criatividade. No início, tente tocar as notas da escala lentamente de baixo para cima e de cima para baixo no seu instrumento. A velocidade pode sempre ser aumentada mais tarde, mas no início é importante tocar cada nota de forma limpa e correcta.

A utilização de um metrónomo, um maestro cronometrado, pode fazer maravilhas para manter um ritmo constante. Também vale a pena estudar diferentes dedilhados, especialmente em instrumentos de teclado, para encontrar os movimentos mais eficientes para cada escala.

A variedade também é importante para evitar o tédio. Praticar em diferentes oitavas ou experimentar diferentes padrões e sequências pode tornar a prática desafiante e divertida. Finalmente, a aprendizagem nunca deve ser feita isoladamente da aplicação. Recomendo sempre tocar peças ou canções que utilizem a escala recém-aprendida para colocar o que aprendeu num contexto musical real.

Como em muitas áreas da vida, a prática regular e o empenho compensam na música. Aprender escalas pode ser uma tarefa difícil no início, mas as recompensas em termos de brilhantismo técnico, compreensão musical e expressão criativa valem todo o tempo investido.

Partilhar este artigo

Investigamos, testamos, revemos e recomendamos de forma independente os melhores produtos. Se comprar algo através dos nossos links, poderemos receber uma comissão.

Publicidade

Índice

Subscreva a nossa newsletter para não perder nada!

Gear
Agora também estamos no Youtube!
YouTube

Ao carregar o vídeo, o utilizador aceita a política de privacidade do YouTube.
Saiba mais

Carregar vídeo

Mais artigos

Índice

Mais contribuições
Notícias
Uma análise: As letras de canções mais populares do mundo
Que letras de canções são mais frequentemente pesquisadas em todo o mundo? Investigámos esta questão com uma pesquisa intensiva e analisámos quais as letras de canções mais frequentemente pesquisadas no Google.
Leia mais →
Notícias
Estudo: As músicas e os riffs mais tocados no mundo
Quais são as músicas que os músicos de todo o mundo mais querem tocar? Investigámos esta questão interessante e pesquisámos quais os acordes e riffs de guitarra mais populares em todo o mundo.
Leia mais →
As melhores cidades alemãs para músicos
Para artistas
Estudo: As melhores cidades alemãs para músicos
Qual é a melhor cidade alemã para os músicos viverem? Analisámos esta questão e realizámos um estudo sobre as 40 maiores cidades da Alemanha
Leia mais →
Gear
Lista de classificação: Que guitarras eléctricas têm o melhor valor de revenda?
Analisámos os preços usados das 40 guitarras eléctricas mais vendidas e comparámo-los com os preços novos. Mostramos quais as guitarras eléctricas mais vendidas no mercado de segunda mão e quais as ...
Leia mais →
Para artistas
As marcas de sintetizadores mais populares em cada país
Analisámos as consultas de pesquisa no Google das 6 marcas de sintetizadores mais populares em 118 países e avaliámos os resultados. Os resultados são muito interessantes e mostram, acima de tudo, ...
Leia mais →
Os melhores pedais de reverberação
Gear
Os melhores pedais de reverberação para guitarristas e produtores
Um pedal de reverberação pode dar uma profundidade incrível à guitarra e enriquecer enormemente o som. Independentemente de o seu amplificador já ter um reverb incorporado ou não ...
Leia mais →