Caixa DI: Funcionalidade, tipos e aplicações

Qualquer baixista ou guitarrista que já tenha tocado ao vivo ou gravado no estúdio está certamente familiarizado com as caixas DI. Mas o porquê de precisar de tal coisa não é claro para muitos - basta aceitá-lo porque o engenheiro de som o diz. Mas porque não pode ligar a guitarra directamente à mesa de mistura? Aqui pode descobrir porque é que as caixas DI são tão importantes na engenharia de som.
Índice

O que são caixas DI?

As caixas DI (Direct Injection) são uma ferramenta indispensável para músicos e engenheiros de som. São utilizadas para ligar um instrumento com uma saída de alta impedância, por exemplo, uma guitarra eléctrica ou um baixo, a uma entrada equilibrada de baixa impedância, por exemplo, uma mesa de mistura ou um interface áudio.

São normalmente utilizados para reforço de som ao vivo e gravação em estúdio, mas também para muitas outras aplicações onde os sinais dos instrumentos precisam de ser convertidos numa forma que possa ser transmitida a longas distâncias sem degradação ou interferência.

Uma caixa DI cumpre 5 funções importantes:

Correspondência da impedância

Um dos maiores desafios ao ligar um instrumento a um misturador ou interface de áudio é que a impedância de saída do instrumento é muito superior à impedância de entrada do misturador ou interface. Este é frequentemente o caso com E guitarras, E baixos e teclados.

Esta correspondência de impedância pode resultar numa perda de frequências altas chamada "carga", que degrada a qualidade sonora do instrumento. Uma caixa de DI corresponde à impedância do instrumento à impedância de entrada do misturador ou interface e assegura que a qualidade do som é mantida.

Ajuste de nível

A maioria dos instrumentos têm saídas que têm um nível muito superior às entradas de uma mesa de mistura ou interface de áudio. Com uma caixa DI, o nível do instrumento pode ser ajustado ao nível de entrada da mesa de mistura ou interface, o chamado nível do microfone.

O nível do microfone é muito mais baixo do que o nível da linha (nível do instrumento). Isto significa que se eu ligar uma guitarra eléctrica directamente à entrada do microfone, o sinal é extremamente alto ou mesmo distorcido. É exactamente por isso que as caixas de DI são tão importantes - contudo, a maioria das interfaces áudio modernas já têm entradas de nível de linha, pelo que normalmente não é necessária uma caixa de DI adicional.

Isolamento

Outro problema que pode ocorrer quando a guitarra eléctrica ou o baixo está ligado directamente à interface de áudio é que ruídos indesejados como zumbidos e zumbidos podem entrar na gravação. Isto acontece porque a unidade e a interface não estão bem isoladas uma da outra com um simples cabo de 6,3 mm.

Uma caixa DI proporciona isolamento eléctrico entre os dois, reduzindo o ruído indesejado no sinal. Isto é conseguido através da interrupção da ligação à terra (elevador de terra).

Simetrização do sinal

A maioria dos instrumentos têm saídas desequilibradas, enquanto a maioria das consolas de mistura e interfaces áudio têm entradas equilibradas. Uma caixa DI converte o sinal desequilibrado do instrumento num sinal equilibrado que pode ser transmitido a longas distâncias sem interferência eléctrica.

Caixas de DI activas ou passivas?

O tipo mais comum de caixa de DI é a caixa de DI passiva, que utiliza circuitos passivos para converter o sinal de alta impedância e desequilibrado num sinal equilibrado e de baixa impedância. Não requerem uma fonte de alimentação externa e são frequentemente preferidos pela sua simplicidade, durabilidade e relação custo-eficácia.

As caixas de DI passivas têm um conector de entrada mono de 6,3 mm para o sinal de alta impedância, um transformador que converte o sinal, e dois conectores de saída para o sinal equilibrado. O sinal equilibrado é transmitido para a mesa de mistura através de cabos XLR, que oferecem melhor protecção contra interferências electromagnéticas (EMI) do que os cabos desequilibrados.

As caixas de DI activas são ligeiramente diferentes: convertem o sinal de alta impedância num sinal equilibrado utilizando um circuito activo. Requerem uma fonte de energia externa, geralmente baterias ou energia fantasma da mesa de mistura, e são normalmente mais caras do que as caixas de DI passivas.

Este tipo de caixa de DI oferece várias vantagens sobre as caixas de DI passivas, por exemplo, níveis de saída mais altos, níveis de ruído mais baixos e uma melhor resposta de frequência - e geralmente opções adicionais de controlo de som. Também são frequentemente preferidos porque podem lidar com cabos mais longos e níveis de ruído mais elevados.

Caixa de DI passivaCaixa de DI activa
+ Não necessita de electricidade- Requer potência
+ Bom som+ som muito bom
- Um pouco de perda de nível+ Sem perda de nível
- Sem impedâncias variáveis+ Impedâncias variáveis possíveis
+ Barato- Caro
+ Muito prático para na estrada- Não é prático para levar consigo
- Quase nenhuma opção de ajuste de som+ Opções de ajuste de som avançado

Diferentes caixas DI para diferentes aplicações

Em regra, as caixas de DI passivas são preferidas para utilização ao vivo e as activas para utilização no estúdio. No estúdio, quer poder ajustar o som tanto quanto possível, e factores como tamanho, peso ou alimentação não desempenham um papel importante.

Numa situação ao vivo, porém, quer ter consigo equipamento bastante leve e portátil, que na melhor das hipóteses não precisa de uma fonte de alimentação, pois nunca se sabe se haverá possibilidades de ligação suficientes (especialmente em pequenos palcos).

Aqui está uma pequena selecção das minhas caixas de DI preferidas, tanto para uso ao vivo como em estúdio:

Summit Audio TD-100 (Active Tube DI Box for Studio)

Sumário Audio TD-100
Sumit Audio TD-100 Tube DI Box

Na minha opinião, esta caixa DI é a melhor que existe. Não é barata, mas proporciona um som incrível, especialmente para gravação de baixo.

Tenho-o usado para gravações de baixo há mais de 4 anos - e muitas vezes só usei a faixa DI do baixo para as minhas misturas, porque soou incrivelmente bem.

Devido ao ganho de +24 dB do circuito do tubo, também pode ser utilizado como instrumento preamp. Os tubos tornam o som realmente agradável, claro e quente.

Pode mesmo ajustar a impedância entre 10K ohms e 2M ohms. Isto permite-lhe combinar perfeitamente com uma variedade de instrumentos e pickups - ou definir deliberadamente errado para obter um som "lo-fi" ou "barato". Este cenário pode fazer maravilhas!

Infelizmente, esta caixa DI já não está disponível na Alemanha, na página manufacturer page diz que deves contactar o vendedor holandês. Em ebay está disponível, importado dos EUA - foi aí que o comprei nessa altura.

Milenium DI-33 (Caixa Universal de DI Activa)

Milenium DI-33
Milenium DI-33

O Millennium DI-33 é uma caixa directa activa de alta qualidade que transmite o sinal de áudio de um instrumento sem distorção. Com a sua robusta construção metálica, a DI-33 foi concebida para uma utilização ao vivo resistente. Vi-o muito frequentemente em palco e também tive de trabalhar com ele como engenheiro de som ao vivo - sempre me pareceu positivo.

A DI-33 também possui um interruptor de elevador de terra e um interruptor de almofada -20dB para o ajudar a gerir problemas de loop de terra ou de ruído.

Convenientemente, a fonte de alimentação funciona através de uma bateria ou energia fantasma - por isso não precisa de tomadas adicionais no palco. E o preço desta caixa DI é realmente imbatível (29,90 euros).

Palmer PAN 04 (Caixa de DI Passiva para Viver)

Palmer PAN 04
Palmer PAN 04

O Palmer PAN 04 tem duas entradas e é portanto ideal para ligar instrumentos estéreo, tais como teclados. É uma das caixas de DI mais usadas de sempre, porque é praticamente pequena e robusta.

As únicas funções são um elevador de terra e um interruptor de almofada -30dB por canal - é tudo o que normalmente se precisa para concertos.

Posso recomendar vivamente esta caixa DI a qualquer banda ou engenheiro de som que precise de equipamento para concertos ao vivo.

Partilhar este artigo

Investigamos, testamos, revemos e recomendamos de forma independente os melhores produtos. Se comprar algo através dos nossos links, poderemos receber uma comissão.

Publicidade

Índice

Subscreva a nossa newsletter para não perder nada!

Gear
Agora também estamos no Youtube!
YouTube

Ao carregar o vídeo, o utilizador aceita a política de privacidade do YouTube.
Saiba mais

Carregar vídeo

Mais artigos

Índice

Mais contribuições
Notícias
Uma análise: As letras de canções mais populares do mundo
Que letras de canções são mais frequentemente pesquisadas em todo o mundo? Investigámos esta questão com uma pesquisa intensiva e analisámos quais as letras de canções mais frequentemente pesquisadas no Google.
Leia mais →
Notícias
Estudo: As músicas e os riffs mais tocados no mundo
Quais são as músicas que os músicos de todo o mundo mais querem tocar? Investigámos esta questão interessante e pesquisámos quais os acordes e riffs de guitarra mais populares em todo o mundo.
Leia mais →
As melhores cidades alemãs para músicos
Para artistas
Estudo: As melhores cidades alemãs para músicos
Qual é a melhor cidade alemã para os músicos viverem? Analisámos esta questão e realizámos um estudo sobre as 40 maiores cidades da Alemanha
Leia mais →
Gear
Lista de classificação: Que guitarras eléctricas têm o melhor valor de revenda?
Analisámos os preços usados das 40 guitarras eléctricas mais vendidas e comparámo-los com os preços novos. Mostramos quais as guitarras eléctricas mais vendidas no mercado de segunda mão e quais as ...
Leia mais →
Para artistas
As marcas de sintetizadores mais populares em cada país
Analisámos as consultas de pesquisa no Google das 6 marcas de sintetizadores mais populares em 118 países e avaliámos os resultados. Os resultados são muito interessantes e mostram, acima de tudo, ...
Leia mais →
Os melhores pedais de reverberação
Gear
Os melhores pedais de reverberação para guitarristas e produtores
Um pedal de reverberação pode dar uma profundidade incrível à guitarra e enriquecer enormemente o som. Independentemente de o seu amplificador já ter um reverb incorporado ou não ...
Leia mais →