Harmonia para os Produtores: A Cadência Musical Explicada Simplesmente

Todos já experimentaram ou viram certamente pelo menos uma vez: 5 músicos estão no palco para uma sessão de improviso que nunca se viram antes. Apenas a chave para a compota está definida e todos começam. Apesar da improvisação, a peça soa sincronizada e os músicos parecem estar perfeitamente sintonizados uns com os outros, o que se deve principalmente à cadência fixa.
Índice

O que é uma cadência na música?

Na teoria harmónica moderna da música, uma cadenza (Italian cadenza, do latim cadere, "to fall, end") refere-se a uma sequência de certos chords que são considerados os blocos básicos de construção da harmonia e que normalmente marcam a conclusão de uma passagem ou de uma peça inteira. Uma cadência é, portanto, uma sequência de acordes populares.

Por exemplo, a cadência I-IV-V-I (tónica, subdominante, dominante, tónica) é uma progressão básica de acordes na música pop que pode ser usada para tocar muitas peças de música. Ao compor, se não se souber que acordes tocar a seguir, tais cadências populares podem ser uma inspiração muito boa.

Dica: O círculo de quintas é muito útil na construção das suas próprias cadências.

Para que é que precisa de cadências?

Uma cadência musical serve como guia ou ponto de referência ao improvisar com outros músicos ou ao compor você mesmo uma peça.

Assim, se concordar com uma chave para uma sessão de improvisação, por exemplo D major, e definir uma cadência, por exemplo I-IV-V-I, então todo o músico sabe o que tem de tocar. Ele sabe que depois de D major vem um G major e depois disso um A major. Desta forma, todos podem improvisar, mas tocar sempre apenas as notas que se ajustam ao acorde, para que a coerência harmónica seja mantida.

E se lhe faltar inspiração para as progressões de acordes ao compor, pode simplesmente procurar cadências conhecidas de outras canções e experimentá-las e adoptá-las (as melodias são protegidas por direitos de autor, as progressões de acordes não o são).

Aqui está uma lista de 10 cadências famosas que têm sido usadas vezes sem conta na composição de inúmeros êxitos ao longo da história da música, explicados usando as teclas de C maior e A menor, dependendo se o primeiro grau é menor ou maior.

Progressão de acordesGénero
I-IV-V (C-G7-F)Blues, Rock 'n' Roll, Country, Folk, Pop
I-V-vi-IV (C-G-Am-F)Pop, Rock, Baladas, Indie
ii-V-I (Dm7-G7-Cmaj7)Jazz, Bossa Nova, Fusão, Bebop
I-vi-IV-V (C-Am-F-G)Doo-wop, Pop, Rock, Rhythm & Blues
vi-IV-I-V (Am-F-C-G)Pop, Rock, Alternativa, Baladas
I-IV-vi-V (C-F-Am-G)Pop, Rock, Baladas, Indie
I-bVII-IV-I (C-Bb-F-C)Rock, Pop, Alternativa, Psicadélico
i-bVII-III-IV (Am-G-C-D)Rock, Pop, Alternativa, Indie
I-V-ii-IV (C-G-Dm-F)Pop, Rock, Baladas, Folk
i-IV-i-V (Am-Dm-Am-E)Flamenco, Bolero, Latim Pop, Tango

Os estilos musicais dados devem ser entendidos como exemplos em que estas progressões de acordes podem ser encontradas com particular frequência.

Correspondência: Ler partituras explicado de forma simples

Cadência musical como fórmula de fecho estruturada

Quando o acorde básico de uma canção muda para outro acorde, cria-se uma tensão harmónica. Os nossos ouvidos esperam que esta tensão seja resolvida - caso contrário, existe um sentimento de incompletude (que, no entanto, por vezes pode ser desejado).

E é aqui que entram as cadências, porque ajudam a encontrar um final adequado, o que tem um efeito diferente no ouvinte, dependendo do acorde com que termina.

Tipos de cadências de acordo com a teoria clássica da harmonia

Basicamente, na teoria clássica da harmonia existem quatro tipos diferentes de cadências, que são classificadas de acordo com a forma como terminam e têm um certo efeito sobre o ouvinte ou evocam certas emoções:

Cadência autêntica ou perfeita (V → I)

Uma cadência autêntica consiste num acorde dominante (V ou V7) seguido de um acorde tónico (I). Numa cadência autêntica perfeita, o tónico do baixo está tanto no acorde dominante como no tónico, e a voz mais alta também tem o tónico no acorde tónico final. Esta cadência tem uma resolução muito forte e confirma e termina a chave de forma impressionante.

perfectk
A cadência perfeita composta por C major, F major, G major e C major

Cadência plagal (IV → I)

A cadência plagal, também conhecida como o "fim da igreja" ou "cadência amém", consiste num acorde subdominante (IV) a seguir a um acorde tónico (I). A resolução desta cadência é inferior à da cadência autêntica, e é frequentemente utilizada em música e hinos de igreja.

plagalek 1
Cadência plagal constituída por C maior, B maior plana, F maior e C maior

Meia-final ou meia-cadência (I, II, IV ou VI → V)

Aqui a cadência termina no acorde dominante (V), o que cria uma sensação de tensão e de incompletude. Este tipo de cadência é frequentemente utilizado no meio de frases musicais para introduzir uma pausa ou transição.

semi-acabados
Meia-final composta por C maior, A menor, F maior e G maior

Falácia (V → VI)

Uma falácia ou cadência enganosa leva do dominante (V) a um acorde diferente do tónico (I), geralmente ao paralelo (VI) ou a outro acorde que contradiz as expectativas do ouvinte. Isto cria uma torção surpreendente que acrescenta tensão ou drama à peça e cria uma sensação de incompletude.

deceptz
Falácia constituída por C maior, F maior, G maior e A menor

A cadência e as diferentes formas - um termo ambíguo

Originalmente, apenas certas progressões de acordes compostos por quatro acordes, em que o último é o mesmo que o primeiro e que formam a conclusão de uma peça, foram chamadas cadências. Entretanto, contudo, o termo expandiu-se e refere-se basicamente a todas as progressões de acordes que são particularmente clichés ou que ocorrem frequentemente.

Como regra, as cadências consistem em quatro acordes, mas também aqui não há limites - hoje em dia, mesmo as progressões de acordes com 10 acordes são chamadas cadências. Na música moderna, porém, essas longas progressões de acordes não são tão comuns, e a maioria das canções populares modernas ainda consistem em 4 acordes.

Construir uma cadência

Se quiser criar as suas próprias cadências para as suas composições, precisa de compreender como funciona a estrutura. Para o fazer, analisaremos as duas chaves básicas de Dó maior e A menor e as notas correspondentes para compreender a estrutura das cadências tanto para as chaves maior como para as menores.

C major
C major
La menor
La menor

Agora construímos o acorde natural a partir da chave para cada tom - estes são os acordes que resultam se se subir simplesmente dois degraus no pentagrama sem acrescentar mais nenhum acidente - e obtemos a seguinte constelação:

Acordes naturais em Dó maior: Dó maior, D menor, E menor, F maior, G maior, A menor, B menor diminuído
Acordes naturais em Dó maior: Dó maior, D menor, E menor, F maior, G maior, A menor, B menor diminuído
Acordes naturais em A menor: A menor, B menor, C maior, D menor, D menor, E menor, F maior, G maior
Acordes naturais em A menor: A menor, B menor, C maior, D menor, D menor, E menor, F maior, G maior

Este é o nosso modelo para construir cadências diferentes a partir destes acordes - dependendo se o acorde básico é menor ou maior, escolhe a variação correspondente. Se o acorde básico for D maior, por exemplo, terá de encontrar novamente todas as notas da escala e construir os acordes naturais correspondentes para essa chave (neste caso há 2 cruzes como acidentais). O nosso artigo sobre as diferentes chaves e os seus acasos pode ajudá-lo com isto.

Exemplo: Cadências de construção em grandes

A título de exemplo: Queremos encontrar a progressão/cadência de acordes I-IV-V para G major. Para tal, anotamos novamente todos os acordes que ocorrem naturalmente na escala de G maior:

gdurde 2

Depois, basta pegarmos no primeiro, quarto e quinto graus e temos a nossa progressão de acordes: G major, C major e D major.

gdurdesel 1

Exemplo: Cadências de construção na chave menor

Agora fazemos o mesmo com uma chave menor para compreender o processo também aqui. Como exemplo, tomemos D menor e procuremos novamente a cadência I-IV-V (por vezes também usamos letras minúsculas para os passos se forem acordes menores, por isso neste caso escreveríamos i-iv-v).

Para fazer isso, primeiro escrevemos todas as notas da escala e construímos os acordes naturais correspondentes.

dmollde

E já podemos escolher a nossa cadência, neste caso, D menor, G menor e A menor.

dmollkreisde

Se se constrói acordes de tal forma que cada nota do acorde se move simplesmente um passo para cima, como nos exemplos acima, são criadas as chamadas direcções paralelas de movimento. Estas surgem quando, na transição de um acorde para o seguinte, cada voz (ou seja, cada nota do acorde) se move a mesma distância na mesma direcção. Isto deve ser evitado tanto quanto possível nas composições, a fim de manter a harmonia excitante - e uma boa voz que conduza ajuda a isso.

O que é que leva a voz?

A voz principal descreve como cada voz de um acorde muda para o acorde seguinte. Cada acorde consiste em pelo menos 3 notas, e quando muda de acorde, cada voz pode ir numa direcção diferente, seja para cima ou para baixo, mas ainda assim tocar a acorde correcta.

Os bons compositores variam a voz que conduz às mudanças de acordes, ou seja, a raiz do acorde nem sempre é a nota mais baixa, mas por vezes a terceira ou a quinta é a nota mais baixa. Isto torna a composição muito mais interessante e excitante do que se a mesma voz principal for sempre usada para cada acorde.

Tomemos a cadência I-IV-V em G major novamente como exemplo. Se tomarmos simplesmente os acordes como no exemplo acima, obtemos direcções de movimento paralelas, e não queremos isso.

Sentidos paralelos de movimento ao mudar o acorde
Sentidos paralelos de movimento ao mudar o acorde

Se, em vez disso, variar a voz que conduz para que nem todas as vozes vão na mesma direcção, obtém a seguinte notação:

Acorde muda sem direcções de movimento paralelas através de uma voz hábil
Acorde muda sem direcções de movimento paralelas através de uma voz hábil

O som é muito mais interessante, apesar de serem exactamente os mesmos acordes. E isso é apenas um exemplo muito simples - em peças mais complexas com instrumentos de seis partes, pode-se variar muito mais a voz que conduz e torná-la mais variada.

A função de um acorde dentro de uma cadência

A cada acorde é atribuído um grau, que por sua vez tem uma função dentro de uma canção, determinada pela chave. A título de exemplo: Se a chave da canção é D maior, então G maior é o passo IV porque G é a quarta nota da escala de D maior.

Na tabela seguinte pode ver a função de cada passo numa chave principal:

NívelTipoDesignação
ImajorTónico
IIMenorSubdominante paralelo
IIIMenorParalelo dominante
IVmajorSubdominante
VmajorDominante
VIMenorParalelo tónico
VIIReduzsétima corda dominante encurtada

Mas quando nos encontramos numa chave menor, os tipos de acordes e alguns nomes mudam:

NívelTipoDesignação
IMenorTónico
IIReduz
IIImajorParalelo tónico
IVMenorSubdominante
VMenorDominante
VImajorSubdominante paralelo
VIImajorParalelo dominante

Assim, se souber a chave e souber onde está o grau menor ou maior, pode descobrir muito rapidamente todos os acordes correspondentes de uma canção - é melhor usar sempre A menor ou C maior como comparação, porque aqui não há acidentes.

A cadência como um princípio de lógica em harmonia

Hugo Riemann era um teórico e musicólogo alemão que viveu no século XIX e início do século XX. Uma das suas principais preocupações era compreender e explicar melhor as estruturas e relações musicais. Uma das ideias centrais na teoria de Riemann era a cadência como princípio da "lógica musical".

Riemann compreendeu a cadência como uma espécie de "gramática musical" que controla o fluxo de uma composição musical e lhe dá uma estrutura lógica. Ele observou que a harmonia e a interacção dos acordes desempenham o papel central na organização das peças musicais, um princípio que ainda hoje é central na composição.

Ao utilizar cadências, um compositor pode controlar a tensão e a libertação dentro de uma peça e levar o ouvinte a uma viagem musical.

O princípio da "lógica musical", segundo Hugo Riemann, refere-se à ideia de que a música se baseia num conjunto de regras e estruturas que a tornam compreensível e expressiva. As cadências são um aspecto central desta lógica musical, pois controlam o movimento e o desenvolvimento da harmonia dentro de uma peça e contribuem para uma estrutura ordenada e significativa, bem como para uma conclusão adequada.

Fonte: Riemann, Hugo - Lógica Musical

Leia mais: Tritone - O que torna o intervalo do diabo tão especial

Partilhar este artigo

Investigamos, testamos, revemos e recomendamos de forma independente os melhores produtos. Se comprar algo através dos nossos links, poderemos receber uma comissão.

Mais contribuições
Notícias
Estudo: As músicas e os riffs mais tocados no mundo
Quais são as músicas que os músicos de todo o mundo mais querem tocar? Investigámos esta questão interessante e pesquisámos quais os acordes e riffs de guitarra mais populares em todo o mundo.
Leia mais →
As melhores cidades alemãs para músicos
Para artistas
Estudo: As melhores cidades alemãs para músicos
Qual é a melhor cidade alemã para os músicos viverem? Analisámos esta questão e realizámos um estudo sobre as 40 maiores cidades da Alemanha
Leia mais →
Gear
Lista de classificação: Que guitarras eléctricas têm o melhor valor de revenda?
Analisámos os preços usados das 40 guitarras eléctricas mais vendidas e comparámo-los com os preços novos. Mostramos quais as guitarras eléctricas mais vendidas no mercado de segunda mão e quais as ...
Leia mais →
Para artistas
As marcas de sintetizadores mais populares em cada país
Analisámos as consultas de pesquisa no Google das 6 marcas de sintetizadores mais populares em 118 países e avaliámos os resultados. Os resultados são muito interessantes e mostram, acima de tudo, ...
Leia mais →
Os melhores pedais de reverberação
Gear
Os melhores pedais de reverberação para guitarristas e produtores
Um pedal de reverberação pode dar uma profundidade incrível à guitarra e enriquecer enormemente o som. Independentemente de o seu amplificador já ter um reverb incorporado ou não ...
Leia mais →
Os melhores pedais de chorus
Gear
Os 8 melhores pedais de chorus para guitarristas e produtores
Os pedais Chorus eram particularmente populares nos anos 80 e lendas como Kurt Kobain ou John Frusciante tornaram-nos ainda mais populares nos anos 90. Atualmente ...
Leia mais →